O aprendizado remoto e a educação distribuída são um modelo para o futuro?

Educadores compartilhando notas de palestras pelo Dropbox Paper

Como três educadores estão usando a tecnologia para aprendizado remoto e o que estão aprendendo sobre seu potencial pós-pandemia.

Conforme o mundo continua em reclusão, as perspectivas das pessoas sobre o que é ou não essencial estão evoluindo. Jantar de sexta à noite? Senti muita falta, mas vamos superar. Fazer um corte de cabelo profissional? Grandes desastres aconteceram, mas vai crescer novamente. A perda de empregos e o impacto econômico? Desastroso. E haverá consequências permanentes para muitas pessoas. Mas, tudo somado, esta não é a primeira recessão global, não será a última e vai melhorar no longo prazo.

Diferentemente de lidar com um corte de cabelo ruim ou com a perda de renda, não há como recriar os anos da educação formal de um jovem. Você só cursa a sétima série e aprende a diferença entre uma rocha obsidiana e uma sedimentar uma vez. Caso tenha sorte, aprenderá isso em um passeio da escola. A experiência no laboratório de biologia durante o primeiro ano da faculdade, com todos os contratempos relacionados ao bico de bunsen, também só acontece uma vez.

A COVID-19 mudou a natureza da educação em 2020, fechando escolas para mais de um bilhão de crianças, afetando 90% da população mundial de estudantes. Os pais responderam com esforços de ensino domiciliar e os professores do ensino fundamental e médio tentaram manter o currículo com variados níveis de eficácia. Uma das minhas amigas, Laura, professora do segundo ano do fundamental, me conta como é difícil manter as crianças envolvidas pelo vídeo. “Elas só querem me mostrar seus brinquedos”, conta ela.

A perda de um semestre escolar ou de um ano inteiro pode parecer ainda pior do que um trimestre financeiro ruim para uma empresa. E com possíveis recorrências desconhecidas do vírus, não está claro quanto tempo as escolas precisarão permanecer fechadas.

Por enquanto, aqueles que têm a sorte de ter os recursos dependem da tecnologia. Mesmo assim, Christina Paxson, presidente da Brown University, diz ao New York Times que não há substituto a altura dos “ferozes debates intelectuais que simplesmente não são os mesmos no Zoom, das oportunidades de pesquisa em laboratórios e bibliotecas universitárias e das interações pessoais entre alunos com diferentes perspectivas e experiências de vida.” Mas estamos descobrindo que escolas, educadores e alunos dependem agora especialmente da tecnologia como complemento do que fazem. E isso pode ter impactos duradouros muito além de 2020.

 

Ezio Blasetti é professor do programa de pós-graduação em arquitetura da Escola de Design Stuart Weitzman da Universidade da Pensilvânia e atualmente ministra o seminário Computational Composite Form. Para leigos, seus alunos de arquitetura estão programando o que seriam robôs para construir edifícios. A classe estava originalmente construindo uma instalação para a Bienal de Veneza, um dos eventos de arquitetura de maior relevância do mundo, mas esse evento está agora em suspensão, conforme a Itália se recupera. De qualquer forma, o aprendizado não parou: a aula é uma exploração tanto das artes quanto de disciplinas altamente técnicas como engenharia e matemática.

Alunos da Penn trabalhando em seus projetos antes da COVID-19

Desde que a Penn fechou seu campus em 11 de março, incluindo o laboratório de robótica no qual os alunos testaram e iteraram suas fabricações, a turma de Ezio passou a ter aulas virtuais no Dropbox e Zoom. Discussões de aulas, tarefas e compartilhamento de material e ideias acontecem no Dropbox Paper.

“O Dropbox foi absolutamente fundamental para eu reunir minha classe novamente”, conta Ezio. “O potencial vai além de apenas reunir as informações em um só lugar. Nós o usamos como um coletor de muitas ideias diferentes que podem ou não funcionar ao longo do ciclo de um projeto, e como o ponto de partida para discussão.”

“O Dropbox Paper imita as vantagens de um espaço de trabalho físico”, acrescenta o aluno de Penn, Kevin He. “A maneira como você pode compartilhar em grupo, ver o histórico de edições etc. Já começo a entender as vantagens da tecnologia. Podemos aumentar nossos fluxos de trabalho, especialmente porque muitas vezes estamos trabalhando com arquivos grandes que não podem realmente ser enviados em incessantes trocas de e-mail. Por isso, estamos achando realmente intuitivo e útil.”

Captura de tela mostrando o Dropbox Spaces

Captura de tela mostrando um documento do Dropbox Paper

Enquanto cada um está em um lugar diferente, a classe usa o Paper como um ponto de encontro virtual para se reunir, mesmo que isso signifique que “vejam” o professor mais do que o normal. “O imediatismo parece a mudança mais dramática”, afirma o estudante James Billingsley. “A qualquer momento, o instrutor poderia aparecer e passar a se envolver com o trabalho.”

James continua: "Este é um desses modos de relação para o qual ainda não temos regras. Às vezes, é surpreendente, por exemplo, estar conversando casualmente sobre o trabalho com um aluno e de repente um professor aparecer na conversa. É simultaneamente um ambiente mais e menos íntimo do que nossa classe normal, o que é uma sensação estranha, mas legal quando estamos todos separados.”

“Com a infraestrutura certa, há muito potencial para escalar e democratizar a educação.” — Ezio Blasetti

Apesar de todos os prós e contras da educação distribuída neste momento, Blasetti vê potencial para sua expansão. “A conversa sobre privilégios é importante e, sim, muitas pessoas em todo o mundo não têm acesso a computadores ou à internet. Mas, em vez de apenas dizer que esse é um ponto negativo da tecnologia, acho que deveríamos priorizar o aumento da disseminação da tecnologia de maneiras mais econômicas.”

“Com a infraestrutura certa, há muito potencial para escalar e democratizar a educação.” afirma Blasetti. “Há experimentos acontecendo agora em que as pessoas se auto-organizam para hospedar aulas, não importa de onde as pessoas sejam, com traduções para 40 idiomas diferentes. Os professores nem sabem quantas pessoas estão participando. Quando você começa a pensar em pessoas em zonas de guerra participando de aulas on-line, pode imaginar um tipo de vida completamente diferente. Os educadores têm falado sobre isso há anos, mas agora que estamos lidando com essa pandemia, o conceito se tornou um pouco mais real.”

***

A médica Christina Han está frustrada com as informações erradas que seus pacientes estão recebendo. Como médica que trata de gestações de alto risco e professora associada da Escola de Medicina da UCLA, ela não pode ficar parada enquanto informações confusas e falsas sobre a natureza da COVID-19 se espalham pela internet. 

“No momento, precisamos deixar a ciência nos liderar, e achei importante compartilhar as informações de forma ampla, eficiente e organizada.” — Christina Han, médica.

A especialidade de Han é a medicina materno-fetal e, recentemente, ela publicou uma pasta pública do Dropbox com publicações, diretrizes e apresentações sobre gravidez durante a pandemia. “Uso o Dropbox na minha vida pessoal e na profissional há muito tempo”, conta ela. “É a maneira mais fácil e eficiente de abrigar pastas e documentos dinâmicos que meus colegas, estagiários e pacientes podem acessar em tempo real. Nunca pensei que compartilharia uma pasta do Dropbox tão publicamente como fiz, mas foi uma maneira fácil de compartilhar informações detalhadas com muitas pessoas."

[Inserir imagem]

“Como pesquisadora, clínica e defensora da saúde pública, senti a obrigação de compartilhar conhecimento científico durante essa época em que as pessoas estão tão preocupadas com sua própria saúde e com a saúde das pessoas ao redor”, diz Han. “No momento, precisamos deixar a ciência nos liderar, e achei importante compartilhar as informações de forma ampla, eficiente e organizada.”

A Escola de Design da RIT é uma das melhores do país, e os designers profissionais tendem a ter um olhar voltado para o futuro. Por isso, talvez não seja surpresa que, para o Professor Miguel Cardona, há anos propagador do Dropbox, Slack, Figma e Zoom, a transição para a educação distribuída tenha sido relativamente automática.

“Nosso departamento há muito tempo acha que é importante ser ágil”, diz Miguel. “Ninguém poderia ter previsto essa situação, mas felizmente já temos a memória muscular de discutir, compartilhar e colaborar on-line.”

Miguel, usuário do Dropbox Paper desde 2016, organiza todas as agendas de classe, frequência, tarefas de estudantes, links de arquivos do Figma e do Dropbox, feedback de projetos e até os emojis favoritos de seus alunos no Paper. “É ótimo ter o arquivo de design no mesmo lugar que o feedback, para que os alunos possam percorrer ponto a ponto com o contexto certo.” 

Captura de tela mostrando um documento do Dropbox Paper

Captura de tela mostrando um documento do Dropbox Paper

Ele achava isso especialmente útil para turmas maiores, mesmo antes da pandemia: “Em palestras maiores, os alunos nem sempre têm a oportunidade de dar feedback oral e também tendem a ficar mais quietos em ambientes maiores. Com o Paper, eles podem compartilhar ideias em tempo real, conforme um aluno faz uma apresentação."

Captura de tela mostrando um documento do Dropbox Paper

Captura de tela mostrando comentários em um documento do Dropbox Paper

As integrações do Dropbox com ferramentas como Zoom e Slack também ajudaram na transição. “Foi particularmente inestimável durante a COVID-19 ter backups das palestras do Zoom. Sem perder o ritmo, consegui mudar de presencial para on-line. Todos os alunos já sabiam para onde ir e se sentiam preparados e confiantes no que estavam fazendo”, conta o professor.

“Estamos adotando esses formatos para tornar o conceito do curso mais acessível durante um período em que estamos redefinindo o que realmente significa uma sala de aula.” — Miguel Cardona

Miguel também vê benefícios para a educação distribuída além de aderir ao distanciamento social. "Uma das razões pelas quais uso o Dropbox Paper na minha sala de aula é beneficiar alunos deficientes auditivos e com dificuldades auditivas. Se eu estiver fazendo uma demonstração, será muito melhor copiar capturas de tela e colocá-las em um documento do Paper com um comentário. Enquanto trabalhamos ao vivo, eles podem acompanhar e publicar perguntas. Estamos adotando esses formatos para tornar o conceito do curso mais acessível durante um período em que estamos redefinindo o que realmente significa uma sala de aula.”

“Tenho também estudantes internacionais, então criar esse ambiente distribuído tem sido benéfico para eles, enquanto lidam com a incerteza e as implicações de viajar de volta ao campus”, afirma ele. “Ninguém quer que essa pandemia continue por mais tempo. Mas acho que a necessidade pode gerar inovação, e muitos educadores têm procurado por isso há algum tempo.”

A educação distribuída é imperfeita. Alunos, professores e pais em todo o mundo certamente não veem a hora do retorno das escolas, especialmente para crianças pequenas. Nenhum dos educadores acima provavelmente recomendaria a educação distribuída como um substituto em tempo integral para a aprendizagem presencial, para aqueles que puderem recebê-la. (Não que isso seria possível, apesar do objetivo da tecnologia de escalar, apenas 60% da população mundial está on-line.) 

Mas uma coisa que essas três histórias têm em comum é que, por trás do entusiasmo pela tecnologia, está o desejo de tornar o conhecimento mais acessível. No caos dessa pandemia, os educadores estão sendo forçados a novos modelos e, conscientemente ou não, pensando em maneiras de atender a públicos mais amplos, a diversidade de seus alunos atuais se acentua quando não estão no mesmo lugar físico.

Hoje, a educação distribuída está causando sua melhor impressão em relação ao aprendizado presencial. É algo suficientemente importante por si só. Mas também está sendo testada como um modelo de longo prazo para levar educação a mais pessoas, independentemente de sua localização, suas necessidades ou seus recursos. Essas inovações podem deixar uma marca permanente que beneficia jovens que, mesmo após o término da pandemia, enfrentam desafios constantes para obter uma educação de qualidade.

 

Para saber mais sobre o futuro da educação, inscreva-se aqui em nosso próximo webinar com Alex Rountree, arquiteto principal do Dropbox.

Descubra como o Dropbox pode ajudar você a aproveitar ao máximo sua estratégia de educação distribuída.

Entre em contato com o Dropbox